ir direto para o conteúdo ir direto para as editorias

Mapa-Mundi.com - Redefinindo o luxo de viajar - Turismo de Luxo, Cruzeiros, Arte e Design, Primeira Classe, Compras, Baladas

Buscar no Mapa-Mundi

Editorias


Você está em: página inicial / balada global / club yacht

patrocínio: Mapa Mundi Concierge

Balada Global Assinar RSS Feed

Novidades e agitos para jovens de todas as idades

Club Yacht

Balada mistura glamour e o universo náutico, na noite paulistana
« »
  1. Club Yacht, São Paulo
  2. Club Yacht, São Paulo
  3. Club Yacht, São Paulo
  4. Cacá Ribeiro (esq.) e os sócios
  1. Club Yacht
  2. Club Yacht, São Paulo Club Yacht, São Paulo
  3. Club Yacht, São Paulo Club Yacht, São Paulo
  4. Club Yacht, São Paulo Club Yacht, São Paulo
  5. Cacá Ribeiro (esq.) e os sócios Cacá Ribeiro (esq.) e os sócios

Querelle, de Jean Genet (1947), transformado em filme por Rainer Werner Fassbinder vem à tona quando se conhece a aura do Club Yacht, inaugurado em janeiro, de 2012.

A atmosfera do clube é um cenário teatral e subversivo erguido através de um forte projeto de cenografia e iluminação. Tudo para que a figura imaginária do marinheiro, interpretado pela audiência do clube, se destaque. 

Os sócios Bob Yang, Cacá Ribeiro e Facundo Guerra reuniram uma equipe de profissionais para dar vida ao galpão de 300 metros quadrados localizado à Rua 13 de maio, 701, na região central de São Paulo, a partir de referências náuticas que tiveram por inspiração o navy de Jean Paul Gaultier, o texto de Genet e as obras de Leonilson, além de referências caras ao pop, como as tatuagens e ilustrações old school do famoso tatuador Sailor Jerry.

O projeto arquitetônico, de Mila Strauss e Marcos Paulo Caldeira, fez surgir da obra civil um grande navio com proa e popa, além de uma área externa. O ambiente foi cenografado por Pier Balestrieri, unindo elementos da marinha e art déco, além da iluminação assinada por Lonardi Doná: “Resolvemos juntar a estética náutica ao hedonismo dos anos 1970 visto em boates como Studio 54, Regine´s e Paradise Garage, mas com humor. Nós queremos rir da cara do luxo”, se diverte Cacá Ribeiro ao contar da novidade.

E esse revival das grandes boates do passado se conecta, inclusive, no comportamento que propõe. “O Yacht vai abrir à meia-noite como uma espécie de coquetel, com música mais suave para que o público tome um drink e converse. Depois das 2h é que a música ganha um tônus mais quente, alto e liberal”, detalha Bob Yang. 

O local tem capacidade para 500 pessoas e funcionará de quinta-feira a sábado, com programação voltada basicamente para tudo que atenda ao desejo de seu público pela diversão: não existe limites ou dogmas dentro do Yacht. A sexta-feira, 13 de janeiro, é o primeiro dia em que o Club Yacht estará aberto ao público. 

Sob a tutela de Ivan Arcuschin, Guilherme Toledo e Thomas Moraes, as picapes das sextas-feiras do Yacht terão o indie rock como ponto de partida, seguindo para as vertentes mais atuais da música independente com diversas atrações programadas, na festa chamada Damn Fridays em periodicidade mensal. O line-up é formado por Vitor Kurc, Jun Honda e Thomas Moraes. O público da noite é convidado a ir até o Yacht de táxi e, apresentando o recibo, é liberado da fila e recebe desconto na consumação. 

Já o sábado terá uma longa noite (e a primeira será realizada em 14/01). Alex Gatto, Beto Cintra, Bob Yang e Cacá Ribeiro - o clã por trás da Ultralions - iniciam a festa Yacht à meia-noite com disco, house e pop até as 5h, além de iluminação com cores mais frias e staff em vestimentas mais compostas. Em seguida, o Yacht recebe a segunda festa da madrugada, a Bon Jour, que segue até as 9h, com vertentes étnicas da house music, luzes mais quentes, staff em figurino mais abusado. Já o line up conta com DJ Tonny, Marcelo Saturnino, Boss in Drama e João Neto. 

Desde a entrada com cabines que se parecem com as de uma embarcação náutica, passando pela pista com cabine e bar nas suas laterais, um palco para pequenos shows, até o teto, a cenografia é permeada por metal, madeira e pedra. As paredes laterais se complementam esteticamente: linhas de alto relevo quase esculturais da art déco que tanto agradou à burguesia do pós-guerra surgem com aplicações de espelho em uma das paredes.

Na outra, metal, arrebites, e arandelas revelam-se como um casco de navio retirado do fundo de um mar, com as marcas do tempo nele calcadas por oxidação. Poltronas, sofás e mesas completam o ambiente, com cinco camarotes exclusivos, com capacidade para oito pessoas. Os banheiros, em grande número, ganham pisos criados especialmente para o local, com cavalos marinhos desenhados em ladrilho náutico, além de louças Interbagno. Há ainda dois mezaninos, mobiliados com mesas e cadeiras, com atendimento privativo e capacidade para cerca de 30 pessoas.

Separando a pista de um dos banheiros, há um aquário de mais de dois metros com espécies agressivas de peixes. Já na transição entre a pista e o bar externo aberto, todas as paredes são cobertas por escamas de peixe desenhadas em espelho. Ao chegar à área externa, o público vai se deparar ainda com uma pintura Razzle Dazzle azul e branco – tipo de pintura muito usada pela marinha durante a Primeira Guerra para camuflar navios confundindo a visão de quem os observava com relação à distância, tamanho e a linha de mar no casco, estratégia usada para confundir aviões torpedeiros. Neste local, há ainda um cavalo marinho em dimensões monumentais. 

O azul, como não poderia deixar de ser, é predominante no ambiente, que se apoiou em uma iluminação sem grandes excessos tecnológicos, mas que vai suportar as diferenciadas demandas de acordo com cada projeto musical e/ ou apresentação propostos nas noites do clube. A iluminação, vedete do Yacht, foi inteira recuperada e restaurada de discotecas clássicas dos anos 1970 e se encontrava sucateada nos rincões do Brasil.

Com isso, o grupo responsável pelo projeto pretende distanciar-se do LED, tecnologia cada vez mais onipresente na iluminação das boites no mundo todo, e render uma homenagem à maneira clássica de se fazer luz nas boites que lhe serviram de inspiração. Já os móveis foram escolhidos um a um, encontrados em antiquários, “família-vende-tudo” e, principalmente, leilões.


Club Yacht - Rua 13 de maio, 701, Bela Vista

Telefone: 3104-7157 Capacidade: 500 pessoas

Cartões de crédito: Visa, Mastercard, Diners e Elo

Horário de funcionamento: quinta-feira e sexta-feira, de meia-noite às 5h; sábado, da meia-noite às 9h

 

Enviado por: Eduardo Alves
Data de publicação: 10/03/2013 - 12:31


Comente (1) comentários

ler todos os comentários



Comentários:

mabel c.f.guimaraes
28/01/2012 - 23:18
Sensacional a boate Club Yacht !

ler todos os comentários

© 2005-2010 Mapa Mundi por Eduardo Alves.
Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização.

Desenvolvido por: cliointeractive